Assina esta coluna: Giovanni Romão (jornalista e articulista do blog Papo Sem Censura)

No começo desta semana, o vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, que assume a presidência do colegiado em maio, afirmou que a eleição de 2020 deve ser mantida – o tema será definido, adiantou o magistrado, somente em junho. O que pode vir a ocorrer, segundo Barroso, é um atraso no processo eleitoral, passando de outubro para dezembro; mas por agora o calendário segue mantido.

Isso posto, ou seja, as eleições 2020 vêm aí! E os bastidores políticos ficam agitados nos municípios. Com o fim da janela partidária, fechada no último dia 4 de abril, o cenário agora começa a ficar mais claro. Cada qual escolheu um “time” político para compor, acreditou em promessas, e agora é saber a canoa que cada partido irá tomar rumo às urnas. E em Pindamonhangaba, quais as boas novas?

Seja bem-vindo a edição especial, “Bastidores da Política”, da coluna “Papo, pauta e café”.

Como ficou a Câmara
Todo começo de último mandato, no período da janela, é interessante ver como a Câmara era formada e como ela está para os meses finais da Legislatura. Por cores partidárias, o movimento em resumo foi assim:

PSDB: de 4 vereadores para 1 vereador
PV: foi de 2 para 3 vereadores
PL: de 4 vereadores para 3 vereadores
PP: de zero para 1 vereador
DEM: perdeu uma vereadora e ganhou um vereador
Podemos: saiu de zero para 2 representantes

Quem ficou e quem saiu
Ficou onde estava: Rafael Goffi (PSDB), Renato Cebola (PV), Felipe César (PV) e Osvaldo, Magrão e Jorge (os três no PL)

Quem mudou: Gislene (DEM → Podemos), Roderley (PSDB → Podemos), Ronaldo Pipas (PL → DEM), Jânio Lerário (PSDB → PP) e Toninho da Farmácia (PSDB → PV)

Em resumo…
O PSDB, que tinha a maior bancada ao lado do PL, esfarelou para uma cadeira, e ao lado do DEM e PP formam os partidos com um representante. O PL e PV formam hoje as duas maiores bancadas, com 3 vereadores cada. O Podemos, que não tinha representante, hoje terá dois nomes.

Situação x oposição

Com os movimentos definidos, o cenário 100% certo na Câmara de Pinda em termos de distribuição de forças políticas é: 6 vereadores de situação e 2 de oposição.

Situação: Osvaldo, Magrão, Jorge da Farmácia, Gislene, Roderley e Toninho da Farmácia.

Oposição: Rafael Goffi e Ronaldo Pipas

Independentes e/ou indefinidos: PV – Renato Cebola e Felipe César (o segundo, presidente da Câmara, é mais pró-gestão, inclusive com nomes indicados dentro da máquina do Executivo); PP – irmão do prefeito, Jânio poderia engrossar a voz da oposição com a consolidação da candidatura do irmão, Vito Ardito, a prefeito.

Falando em candidaturas a prefeito…

Quem são hoje os nomes que sustentam a pré-candidatura a prefeito?

Isael Domingues (PL), Vito Ardito (PP), Rafael Goffi (PSDB), Gabriel Cruz Moreira (PSOL) e Luis Rosas (PTB).

E os outros nomes?

O PT tinha o presidente do Sindicato Herivelto Vela como pré-candidato, mas este já anunciou que vem na chapa de vereadores. Um nome que apareceu por lá recentemente foi o de Gugu Mello, que voltou ao jogo político local. Por histórico, Gugu pode vir com a gana de sair candidato a prefeito, repetindo o que fez em 2012. Com narrativa forte, será que vem para o jogo da majoritária? Pelos lados da extrema-direita, Ronald Lima viu seu sonho de ser candidato a prefeito afundar junto com o projeto da Aliança pelo Brasil – recou, filiou-se ao PSD e deve vir a vereador.

Quem tem falado com quem?

Na última terça-feira (7), Vela recebeu em seu programa na Rádio Princesa, o Programa Livre, às 12h todos os dias, Norberto Morais, responsável pelas articulações da pré-candidatura de Vito. Em dado momento, Vela indicou ao ex-prefeito a possibilidade de conversar após o fim da quarentena.

Goffi como vice de Vito?

Segundo uma fonte próxima ao grupo do ex-prefeito Vito, a aliança com Goffi na condição de vice na chapa só depende do próprio tucano: “Está nas mãos dele…”

Roderley balançou, balançou…e foi de Isael

Autor da CEI do Laboratório, que pode atingir a maioridade logo-logo, o ex-PSDB Roderley Miotto foi um dos principais críticos à gestão de Isael Domingues. De uns meses pra cá, o discurso foi mudando, mudando, até que se filiou ao Podemos, partido que está sob asas do prefeito no projeto de reeleição. Recentemente, Roderley gravou até vídeo junto com vereador da base e com o próprio chefe do executivo.

Dança das cadeiras caseira

Ricardo Piorino deixou a secretária de Governo – vai se dedicar ao projeto de reeleição de Isael. Até segunda ordem, ao menos. Para o seu lugar, Marcelo Matuscelli, que deixou a Habitação. Ao cargo máximo na pasta, subiu o adjunto João Gontijo – já Ricardo Flores deixou Eventos e se tornou secretário adjunto de Habitação. Portanto, tudo dentro de casa.

Como estão os times?

Alguns partidos estão concluindo a organização de seus times para a disputa de 2020. O blog buscou levantar alguns desses nomes que, não necessariamente, serão candidatos à Câmara, mas compõem o elenco.

PL: Magrão (vereador), Osvaldo (vereador), Jorge da Farmácia (vereador), Alexandre Biro, Mateus Raposo e Reginininha.

PSOL: Wilton (candidato a prefeito em 2016), Milena, Alice, Suzete, Léo (Carteiro – candidato a vice-prefeito em 2016), Wallyson (Campinas), KB Marc, João Pedro, Sedeur, Oh Cição, Fernando (Feital) e MC Dendê.

PT: Herivelto Vela (presidente do Sindicato dos Metalúrgicos), Diego Costa, Vânia Leal, Sivanilde Kogempa, Mamão e Celinho.

PSDB: Pastor Marco Aurélio (candidato da Assembleia de Deus Belém), Leandro Matos (presidente da ferroviária), Cida Bueno (presidente de bairro) e Viviane (presidente do Conselho dos Direitos das Mulheres)

Podemos: Rodrigo Godoi, Fernando Frangão, Gislene Cardoso (vereadora), Roderley Miotto (vereador), Julinho Car, Fábio Duarte, Renato Nomoto, Douglas Sorriso e Simone Barça.

PSC: Thiago Silva, Eli, Ricardo Xavier, Bolinha, Gisa e Darlen.

PP: Norberto, Martim César (ex-vereador), Gu Tintas, Jânio Lerário (vereador), Trannim, Gabriel Falcone, Padre Gonçalves, Gilson Nagrin, Tânia Enfermeira e Veraniza.

DEM: Ronaldo Pipas (vereador), Jorge do Pasin, Rubão (caminhoneiro), Marcos Monteiro, Isabel (Anhanguera), Professor Carlos e Professora Érica.

PV: Renato Cebola (vereador), Toninho da Farmácia (vereador), Rubens (suplente de vereador), Zé Maria (Campinas) e Professor Abençoado, Carlinhos Casé.

PSD: Julielton Modesto, Ronald Lima, Renato Bergamini (ex-vereador), Juninho (da Panedoro), Carlos Mariano (Droga Mariano Moreira César), Dra Shirley (do Laboratório), Beth Cursino (professora e ex-secretária de educação), Andreinha da OAB, Juliana Balarin e Irene (ex-presidente do COMUS).

Republicanos: Professor Everton (ex-secretário de Esportes), Cal (ex-vereador), Dr Fernando Cale, Pastora Magda, Professor Biro, Gari Abençoado e Lazinho Tropeiro.

MDB: Pastor Enoque, Ricardo Lourenço (supermercado Lourenço), Valdir Faustino, Edinho (pizzaria Varanda) e Juliano Nunes.

Avante: Matheus MC.

Jogo das apostas está aberto

E para fechar a coluna, a pergunta que já começa a circular com o fim da coligação na disputa pela Câmara: quais partidos irão conseguir chegar ao Legislativo e quantas cadeiras cada um vai fazer? As apostas mais otimistas apontam que, na sobra de votação, um ou outro partido pode chegar a 3 cadeiras. Outros brigam por uma ou duas.