Temas sempre abordados pelo blog Papo Sem Censura, a mobilidade urbana e o transporte público e coletivo na cidade voltaram a ser assunto na Câmara de Pindamonhangaba na noite desta terça (20), em audiência pública. Cerca de 100 pessoas estiveram presentes na audiência, que reuniu motoristas de aplicativos e do popularmente conhecido “clandestino”, taxistas, de transporte complementar e do transporte público.

O tema central da discussão estava em torno das regulamentações envolvendo as diferentes categorias, como é o caso do Uber ou mesmo dos táxis. “A empresa Uber, por exemplo, recolhe 25% dos motoristas e nada desse valor é revertido ao município”, afirma o vereador Rafael Goffi, que convocou a audiência. “A ideia não é proibir ou fazer ninguém pagar mais, mas regulamentar, que parte do que a empresa ganha fique no município para melhorias no próprio trânsito.”

Sobre a situação dos taxistas, foi debatida a necessidade de atualização da lei da categoria, que no município é de 1979, assinada na época pelos vereadores Nelson Naressi e José Maria da Silva. Entre as principais reivindicações está a liberação do motorista auxiliar, como acontece em outras cidades, como Rio de Janeiro, o que aumentaria a oferta de tempo de táxis em circulação na cidade.

Compuseram a mesa de trabalho da audiência os vereadores Rafael Goffi, Roderley Miotto, Edna (SEBRAE), Alexandre Farias (assessor da deputada estadual Damaris) e Juliel Modesto (Conselheiro do CETRAN-SP). Ocupando as mesas do plenário estavam Fábio (taxista), Peter (aplicativo Vip’s), João (Viva) e vereador Ronaldo Pipas.