campinda

A Ordem do Dia da próxima sessão de Câmara, no dia 5  junho, tem como um dos projetos previstos para votação o que institui o programa de Farmácia Solidária no município, via Fundo Social de Solidariedade, apoio técnico da Secretaria de Saúde e convênios com “instituições de ensino de Ciências Farmacêuticas (Faculdades e Universidades), as Entidades de Classe correspondentes e as Entidades Governamentais. Leia a íntegra do projeto aqui.

O imbróglio envolvendo o projeto 69/2017, do poder executivo, não vem de hoje. Lembremos alguns fatos antes de avançar.

Dia 15 de maio – Projeto vai a plenário e, diante de sinalizações de que a oposição pediria o adiamento, o poder executivo mobiliza frentes para derrubar o pedido de adiamento e aprovar o projeto. Apesar dos esforços, o adiamento é aprovado por 7 votos favoráveis a 2, com apoio da base do prefeito pelo adiamento (entenda mais aqui).

Dia 16 de maio – vereadores se reúnem no Fundo Social para debater o projeto e fica aberta a possibilidade de diálogo

Dia 17 de maio – prefeito Isael e vice, Piorino, em entrevista à Ótima FM, amenizam adiamento e demonstram otimismo pela aprovação do projeto na sessão seguinte, de 22 de maio.

22 de maio – Vereadores apresentam projeto substitutivo durante o período da tarde, entre outras mudanças tornando a secretaria de Saúde como “porta principal” da iniciativa; Executivo não aceita o substitutivo e, diante de mais uma derrota iminente em plenário, pede a retirada do projeto original da pauta.

Dia 29 de maio – o blog apurou que o Executivo tentou assinaturas para colocar o projeto original como inclusão, mas obtendo apenas três assinaturas: Toninho da Farmácia, Felipe César e Jânio Lerário

Agora, está pautado, nesse 5 de junho, o projeto original volta ao plenário para a votação, sendo que os vereadores apresentarão emendas modificativas ao projeto, segundo informações vindas diretamente do Legislativo.

Foto: site oficial da Câmara