SONY DSC

Acabou instantes atrás a reunião extraordinária do consórcio do CISAMU, que integra o SAMU e do qual Pinda faz parte ao lado de ao lado de Taubaté, Campos do Jordão, Tremembé, Lagoinha, Redenção da Serra, Natividade da Serra,Santo Antônio do Pinhal e São Luiz do Paraitinga. Por unanimidade, os membros do consórcio decidiram seguir o estatuto e Pinda está suspenso por 180 dias – após esse prazo, a cidade deve ficar definitivamente fora do processo.

Desde a assinatura do convênio, em novembro de 2016, ainda na gestão do ex-prefeito Vito Ardito Lerário, Pinda não paga seu aporte mensal ao consórcio, algo na casa de R$ 390 mil por mês. Em entrevista coletiva no dia 24 de fevereiro, o prefeito de Pinda, Isael Domingues, já havia indicado a decisão da cidade em deixar o consórcio.

Apesar de defenderem a manutenção de Pinda no SAMU na noite desta segunda (6), nenhum vereador citou durante a sessão a reunião extraordinária que o consórcio realizaria nesta terça (7) – leia. A determinação pela saída de Pinda do consórcio havia sido indicada pelo presidente do consórcio, o prefeito de Taubaté Ortiz Jr, em deliberação no dia 6 de fevereiro.

Leia sobre o caso:

Pinda: saída do consórcio do SAMU dependerá de aprovação de Projeto de Lei na Câmara; prefeitura nega

Pinda: Consórcio responsável pelo SAMU afirma que cumprirá estatuto