Por Giovanni Romão

SONY DSC

Todo e qualquer cidadão suspeito de cometer alguma fraude, crime, roubo e afins tem amplos diretos de defesa assegurados pela constituição. Assim como toda e qualquer investigação merece ser respeitada até que todos os fatos sejam apurados. Resumindo, não podemos tirar conclusões precipitadas e dar veredictos sem esperar os pontos finais de uma história.

A “CEI dos Assessores” aberta na Câmara de Vereadores de Pinda, que visa a investigar as suspeitas de falhas administrativas cometidas pelo vereador Professor Eric, no entanto, merece uns tantos de pés atrás. Afinal, ao olharmos o histórico das CEIs conduzidas no Legislativo pindamonhangabense fica claro que precisamos estar com o alerta ligado.

A última CEI, que investigou o uso irregular de carros pelo parlamentar Martim César, terminou engavetada. Mesmo após as filmagens feitas pela equipe da Rede Globo, o relatório final da comissão ter apontado os atos, a confissão do próprio parlamentar de ter feito uso irregular “por desconhecimento das regras”, o assunto foi à cova e a pizza veio à mesa.

Agora, o mesmo Martim, que responde ainda pelo caso dos carros na Justiça, é um dos integrantes da CEI que investiga outro parlamentar. E diga-se, o investigado da vez faltou na sessão que votou pela abertura da Comissão Processante contra Martim – engavetada. Na época, o vereador Professor Eric alegou ter ficado doente, mesmo depois de ter passado a tarde em reuniões da prefeitura, conforme apurou o blog “Papo Sem Censura”.

É bom destacar ainda que a CEI dos Carros tinha muito mais provas concretas contra o investigado do que tem, até aqui, a CEI dos Assessores. Duas assessoras já se pronunciaram sobre o caso. O vereador nega as acusações.

Não é questão de antecipar, mas apenas um alerta: olho vivo na nova comissão que começa a correr no Legislativo. Como diria o bom e velho ditado, “gato escaldado tem medo de água fria”. É bom baixarmos um pouco a cabeça das esferas federal e estadual e participar ativamente daquilo que podemos arrumar efetivamente: o quintal da nossa casa. A cidade.