dilma_lula_FHC

 

FHC concedeu entrevista a Roberto D’Avila, da Globo News. Entre outros assuntos, falou sobre o poder. Defendeu que é preciso haver alternância, pois há, segundo suas palavras, um sistema viciado. Em discurso, o ex-presidente é bem melhor do que na prática. Aliás, quando o assunto é alternância de poder, a maioria dos que teorizam sobre o tema nada fizeram na prática.  Isso vale inclusive para Lula e Dilma.

No mesmo bate-papo com D’Avila, Fernando disse que um dos propósitos de seu governo, que não foi cumprido, era o de “reformar a Constituição”. Não o fez, mas emplacou a emenda constitucional n° 16, de 4 de julho de 1997, que criou a reeleição no País, “beneficiando-se” da própria manobra em 1998. O PT foi crítico ferrenho ao projeto, até chegar ao poder em 2002.

Lula nada fez para mudar essa realidade. “Beneficiou-se” da lei encabeçada por FHC em meados dos anos 90 – Dilma tentará fazer o mesmo este ano. E assim será, ao que tudo indica, quando o tucanato voltar ao poder – ou qualquer outro partido que lá chegar. E assim é também nos estados e municípios – vide o domínio do PSDB em São Paulo por mais de 20 anos; assim foi DEM na Bahia pelas mãos de ACM…

As chances de acontecer uma reforça política profunda e eficiente são resumidas ao segundo mandato de um presidente. Lula deixou a chance passar. Seu governo, diferentemente dos críticos de plantão, deixou sim muitos bons legados – mas poderia ter terminado com a grande marca por meio das reformas política ou tributária. Caso seja reeleita, Dilma terá nova chance nas mãos. O legado da estabilidade econômica é dada a FHC; o social fica com Lula. Dilma terá que reformar.

Seja com Dilma ou mais à frente com outro presidente, verdade é que executivo e legislativo terão que trabalhar de forma conjunta para que essas mudanças aconteçam. Nem todas as responsabilidades devem cair sobre os ombros do executivo, mas cabe a ele preparar um cenário capaz de que essas reformas caminhem e cheguem à efetivação. Há trabalho, mas também há necessidade urgente de que elas ocorram.