>>> Prefeito foi julgado pela justiça de São Paulo em caso de suspeita de compra sem licitação de vale transportes e passes escolares em 2004. Vito deve recorrer

vito

Foi publicado nesta quinta-feira, dia 27, a decisão da justiça de São Paulo pela condenação do prefeito de Pindamonhangaba, Vito Ardito Lerário, a cinco anos e quatro meses de prisão em regime semiaberto. O prefeito ainda foi condenado a perda do cargo eletivo de prefeito, pagamento de multa e fica inelegível pelos próximos 8 anos – conforme prevê a Lei da Ficha Limpa em casos de condenação em segunda instância. Vito responde ao caso de compra de vale transportes e passes escolares sem a realização de licitação, em 2004 – ano em que a atual secretária de Saúde, Sandra Tutihashi, foi a candidata do PSDB.

A assessoria do prefeito não informou se os advogados irão recorrer da decisão, o que obviamente deve acontecer. Ainda, segunda a assessoria, Vito está em viagem ao Mato Grosso, juntamente com Tutihashi. Vito foi condenado nas compras de passes e vales dentro do período de 21 de setembro a 21 de outubro de 2004. No período de 22 de outubro a 21 de dezembro, em que também havia investigação, o chefe do executivo foi absolvido.

decisao

O que acontece

Inelegível, Vito deve recorrer à Brasília e terá que contar com uma agilidade pouco comum dos trâmites judiciais para reverter o quadro até 2016 – ano em que poderia concorrer à reeleição. Também estão inelegíveis por condenação no TRE o ex-candidato Paulo Sérgio Torino e sua candidata a vice em 2012, Myriam Alckmin, devido a suspeitas de abusos no uso de meios de comunicação nas eleições. Os dois também recorrem em Brasília, onde o Ministério Público já se manifestou favorável a manutenção da condenação.