camarhoje

Não é apenas o álcool ingerido de forma exagerada que resulta em dor de cabeça e naquela leseira do dia seguinte. Há também ressaca moral. E essa pode durar mais do que um dia. Talvez semanas. Meses. Quiçá, e bom seria, até as próximas eleições municipais.

Os 11 vereadores voltam a se reunir nesta segunda-feira, dia 17, para mais uma sessão ordinária (como diria meu amigo jornalista Ocimar Barbosa, “ordinária” no bom sentido). A sessão é a primeira após a rejeição do relatório final da CEI dos Carros,  que pedia a abertura de uma Comissão Processante  para a cassação do mandato do vereador Martim César.  O relatório final foi levado à gaveta pelos parlamentares Carlos Gomes Cal, Jânio Lerário e Toninho da Farmácia.

Um grupo de munícipes tem se organizado para o que ficou conhecido como o 1º Ato Público de Repúdio, em reflexo do engavetamento da CEI dos Carros.

Além dos três votos contrários, outro ponto de questionamento foi a ausência do vereador Professor Eric na sessão de votação do relatório. O político alegou problemas de saúde, mesmo tendo participado de uma reunião na diretoria de Eventos da prefeitura durante toda a tarde do dia 10.