>>> Na Folha de S. Paulo, vice-governador do Estado critica os investimentos nas linhas férreas em SP. Tucanos não escondem insatisfação com a postura do aliado e dizem que palavras vieram em um momento “inoportuno”
Quem nunca ouviu a expressão que muitas vezes o inimigo mora ao lado. No caso do Palácio dos Bandeirantes, o inimigo pode dormir debaixo do mesmo teto. Em meio ao pleito municipal, onde Celso Russumano dispara na frente com o pequeno PRB, e José Serra (PSDB) vê uma aproximação perigosa de Fernando Haddad (PT), um artigo publicado na Folha e assinado pelo vice-governador do Estado, Guilherme Afif (PSD), serviu para balançar ainda mais as estruturas.
No pergaminho, divulgado quinta-feira, dia 6, Afif fez críticas à política de investimento nos sistemas ferroviário e metroviário de SP. O ex-demo disse que São Paulo “está no atraso em matéria de trilhos” e que o Metrô é “insuficiente para atender à demanda”. Afif diz ainda que há um “descompasso no planejamento e execução do transporte público”.
Em outro ponto, Afif defende que a política das PPPs (Parcerias Público-Privadas), implementada por ele no governo de SP, seja aplicada também nos projetos de expansão de trilhos. Neste momento, ele ainda faz um elogio à Presidente Dilma Rousseff que, recentemente, anunciou que serão construídos 10 mil km de ferrovias pela iniciativa privada.
Os tucanos encararam o artigo como negativo e afirmaram que as palavras ganham peso em um momento “inoportuno”, onde o transporte público é um dos temas mais debatidos nas eleições municipais de São Paulo, principalmente pela oposição.