Depois de 12 dias parado, o processo de impugnação da candidatura de Vito Ardito Lerário (PSDB) voltou a circular dentro do TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Às 18h46 desta quarta-feira, dia 5, o processo foi encaminhado à Coordenadoria das Sessões, sendo recebido às 20h15 e encaminhado à mesa.
Segundo uma fonte ouvida pelo blog, o processo com as manifestações do Procurador de Justiça e do advogado de defesa está relatado e pronto para o julgamento, “que deve ocorrer a qualquer momento”.
Recentemente, a equipe jurídica de Vito afirmou que já há uma documentação pronta para a entrada com recurso no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e, conforme caminhar o processo, chegar ao STF (Supremo Tribunal Federal) – leia clicando aqui. Em 19 de agosto, uma fonte ouvida pelo blog já havia antecipado que Vito estava focado no recurso em terceira instância – leiaclicando aqui.

Entenda o processo movido pelo ministério público:
2004
Durante a campanha de Sandra Tutihashi (PSDB) à prefeitura, a candidata e Vito Ardito Lerário, prefeito na época, foram acionados pela justiça por utilizarem o Centro Comunitário do Pasin para evento de campanha.
2004
Ainda naquele eleição, Vito foi condenado a pagar multa e Sandra teve sua candidatura impugnada.
2010
Entra em vigor a Lei da Ficha Limpa, Lei complementar 135, que substitui a Lei Complementar 64, de 1990. Nela, fica determinado: “os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado da Justiça Eleitoral, por corrupção eleitoral, por captação ilícita de sufrágio, por doação, captação ou gastos ilícitos de recursos de campanha ou por conduta vedada aos agentes públicos em campanhas eleitorais que impliquem cassação do registro ou do diploma, pelo prazo de 8 (oito) anos a contar da eleição
2012
– O Ministério Público entra com uma ação, amparada na Lei da Ficha Limpa, pedindo a cassação da candidatura de Vito.
– 30 de julho: Justiça Eleitoral de Pinda defere pedido do MP e impugna candidatura de Vito.
– Vito entra com recurso junto ao TRE