>>> Com Romain Grosjean suspenso para o GP de Monza, próxima etapa da temporada 2012 da Fórmula 1, equipe Lotus analisa possíveis substitutos



Depois da lambança feita na largada do GP da Bélgica, em que eliminou da prova de uma só vez Fernando Alonso, Lewis Hamilton e Sérgio Perez, o francês Romain Grosjean acabou punido pela FIA. Ficará fora da próxima etapa do mundial, que será disputada no próximo fim de semana em Monza, na Itália. A equipe, claro, já procura um companheiro para Kimi Raikkonen.

Segundo o chefe do time, Éric Boullier, o nome mais cotado é o de Jêróme D’Ambrosio – terceiro piloto do time. No entanto, Boullier garantiu que existem muitos pilotos que demonstraram interesse em pilotar pela Lotus na Itália e a situação segue aberta até o meio da semana. Um dos nomes ventilados pela imprensa europeia é o do brasileiro Rubens Barrichello.

Rubinho deixou a Fórmula 1 no início do ano, depois de ser preterido na Williams na disputa direta com Bruno Senna. Atualmente na Indy, Barrichello nunca escondeu que pretende voltar à Fórmula 1. Hoje, via Twitter, o piloto chegou a falar sobre o assunto da Lotus e disse que, “claro”, aceitaria um possível convite para pilotar em Monza.

Definitivamente, Rubinho seria uma das melhores opções para a Lotus em Monza. O blog “Papo Sem Censura” elenca 10 pontos que justificam tal afirmação:

1) Com 19 temporadas completas na Fórmula 1, Barrichello dificilmente se envolve em acidentes e, com o carro da Lotus deste ano, pode chegar aos pontos – meta do time para o GP da Itália;

2) Apesar de estar fora da categoria, Rubinho segue pilotando em alto nível de competitividade na Indy, diferentemente de muitos nomes cotados para a vaga de Grosjean;

3) O brasileiro conhece Monza como poucos. Já venceu no circuito em três oportunidades, sendo duas pela Ferrari, em 2002 e 2004, e uma pela Brawn GP, em 2009;

4) Determinação. Focado em voltar para a categoria, Rubinho não mediria esforços para mostrar que ainda tem capacidade de pilotar um bólido da F1;

5) Com a capacidade que tem para acertar carros em um fim de semana de GP, Barrichello pode contribuir muito para Raikkonen, que ainda sonha em brigar pelo título;

6) Rubinho chegou a negociar, mesmo que superficialmente, com a Renault no final do ano passado. Ou seja, sempre teve algum interesse em pilotar pelo time;

7) Como poucos, conhece essa nova F1, sem as grandes ajudas eletrônicas e a dinâmica de desgastes de pneus, que era uma realidade ainda pior em 2011, quando Rubinho pilotou pela Williams;

8) Correndo em Monza, mesmo que não siga no restante da temporada, Rubinho pode deixar uma “coletânea” de informações relevantes para o time visando o restante do mundial;

9) Por estar correndo em uma categoria de alto nível, Rubinho segue em forma com o preparo físico, ainda mais com as pistas exigentes da Indy;

10) Os últimos dois resultados de Barrichello nos EUA, com um quarto e um quinto lugares, comprovam que o brasileiro ainda tem poder de combatividade.

Em tempo: A nota foi escrita antes da Lotus confirmar Jêróme D’Ambrosio como o piloto para Monza.