>>> Apesar dos discursos firmes, campanha de Vito perdeu força e o tucano precisa se dividir entre Pinda e São Paulo para acompanhar de perto seu processo. Resta saber se haverá tempo na justiça e nas ruas para a reversão do quadro

Como antecipado pelo blog “Papo sem Censura” em 19 de agosto, a equipe jurídica do candidato a prefeito Vito Ardito Lerário já trabalha com a forte possibilidade de derrota no TRE (Tribunal Regional Eleitoral), que julga a impugnação da candidatura do tucano. A decisão pela impugnação partiu da juíza Laís Helena Jardim, de Pindamonhangaba, atendendo ao Ministério Público.

Vito foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa, devido ao crime político cometido em 2004, na campanha da então candidata do PSDB, Sandra Tutihashi, pela acusação de compra de votos. Pela decisão judicial no caso, Vito está inelegível até 10 de outubro de 2010. A lei da Ficha Limpa acabou por reforçar a ilegalidade do ato cometido em 2004, por ser mais clara e objetiva, o que justifica o fato da situação ter se complicado para o candidato do PSDB.

Em entrevista à Rádio Difusora, Vito foi perguntado sobre a impugnação. Preferiu não responder diretamente, apesar de alegar estar confiante. Passou, então, a palavra ao advogado Antonio Aziz Boulos, presidente da OAB de Pinda e envolvido com a causa de Vito.

“A candidatura dele [Vito] está tranquila. Houve uma impugnação aqui [em Pinda] e tem um recurso no TRE, que está sendo acompanhado pelo doutor Alberto [Rollo, advogado de Vito]”, afirmou Aziz. “E já está tudo pronto, qualquer coisa para irmos à Brasília [ao TSE]; se houver questão constitucional, inclusive, estamos prontos para chegar ao STF [Supremo Tribunal Federal].”

A decisão do TRE está demorando mais do que o previsto, mas a expectativa é que o parecer seja confirmado ainda nesta semana de 2 de setembro. Vito corre o risco de enfrentar situação semelhante à vivida por Sandra em 2004, quando arrastou os problemas judiciais até o dia da eleição e acabou com os votos zerados na urna.