>>>Derrotado nas urnas em 2008, candidato do PSDB aparece repaginado e com campanha agressiva em Taubaté. Resultados começam a aparecer e pesquisa Ibope aponta tucano na frente
Está mais claro do que nunca as intenções do tucanato de Taubaté: retomar o poder. Em 2004, Roberto Peixoto foi eleito prefeito pelo PSDB, mas deixou o partido ainda no decorrer do primeiro mandato. Nas eleições de 2008, já pelo PMDB, conseguiu se reeleger vencendo o deputado Padre Afonso Lobato, do PV, que foi o segundo. Ortiz, que tinha como vice de sua chapa o pai Bernardo Ortiz, ficou apenas em terceiro.
Neste ano, o PSDB volta a jogar pesado. Aposta em uma campanha bastante apimentada ($), e, diferentemente do que aconteceu em 2008, parece ter a estratégia nas mãos. A campanha de Ortiz é bastante midiática, marcada pela interação de diversas plataformas de veiculação, como TV, Rádio, site e ações de rua. Bastante curioso também o fato de, em diversos momentos, ser utilizado apenas “Júnior”.
É uma clara tentativa de se evitar reforçar o nome “Ortiz”, uma vez que Bernardo, o pai, está envolvido em suspeitas de irregularidades na gestão da FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação) – pasta que administra desde o início do governo do também tucano Geraldo Alckmin.
Outro ponto de destaque na campanha de Júnior, que, sim, é Ortiz (o filho), é também o plano de governo minucioso. Ele consegue apontar, como poucos candidatos na região, o que será feito, de que forma será feito e como fará para capitalizar verbas. Demonstra um conhecimento da cidade que os outros candidatos não estão conseguindo expressa. Sim, Ortiz Júnior está muito bem assessorado.
Última pesquisa

Talvez os fatos acima tenham algum reflexo nos últimos números da pesquisa Ibope, de 30 de agosto. No começo do mês, Ortiz Júnior tinha 31% das intenções de votos – agora aparece com 44%. Mario Ortiz  (PSD), que tinha 15%, caiu para 14%, enquanto Padre Afonso foi quem mais despencou – caindo de 26% para 11%. Isaac do Carmo, do PT, subiu de 8% para 10%. Tirando Ortiz Júnior, os outros três candidatos estão tecnicamente empatados, uma vez que a margem de erro da pesquisa é de 4%. Jenis de Andrade, do PSOL, ficou com 0% nos dois levantamentos.
Como Taubaté, pela primeira vez, atinge o índice de eleitores para segundo turno, a pesquisa também simulou disputas entre os primeiros colocados. Em caso de embate entre Ortiz Júnior e Mario Ortiz, o primeiro venceria por 55% contra 19% do segundo. Na briga do tucano com Padre Afonso, o primeiro ganharia por 57% a 18%. Foram entrevistados 602 eleitores, entre os dias 27 e 29 de agosto.
Colaboração: Thaís Almeida e Rogéria Ribeiro