>>> Diferentemente de 2011, quando esteve nivelado de maneira mediana, o carnaval do grupo especial da cidade maravilhosa promete encantar este ano, quando o objetivo parece ser o de emocionar os espectadores. Mesmo os enredos comerciais foram trabalhados para contarem histórias e estórias na avenida

Cristo de 1989 voltará para a avenida em 2012. Desta vez, descoberto


Saem de cena Roberto Carlos e Nelson Cavaquinho e ganham o palco da alegria nomes como Jorge Amado, Luiz Gonzaga, Portinari, Romero Brito e Clara Nunes. Também haverá Angola, muito nordeste – especialmente Bahia e Pernambuco –, Cacique de Ramos, São Luis do Maranhão, Londres. Também será possível ver e sentir o aroma do leite e do iogurte, navegar pelos grandes musicais internacionais e nacionais, e ainda ver e rever grandes exemplos de superação.

O “mix” acima resume o que se pode esperar dos carnavais das escolas de samba do grupo especial do Rio de Janeiro neste ano. E para quem acha que o Brasil é um país de cidadãos que apenas se preocupam com futebol e escola de samba, veja abaixo um resumo do que cada uma das 7 agremiações cariocas levarão à Sapucaí no domingo de carnaval. Delicia-se com a riqueza cultural, artística e histórica dos enredos. Na segunda parte da reportagem serão abordados os enredos das escolas que desfilarão na segunda-feira.

Renascer de Jacarepaguá (primeira escola do domingo (dia 18):


Pela primeira vez no grupo especial, a escola da Zona Oeste resolveu apostar na ousadia para tentar evitar o conhecido ioiô do carnaval carioca. Vai logo de cara com um enredo biográfico e contará a história de Romero Brito na avenida, em trabalho desenvolvido pelo carnavalesco Edson Pereira. Conhecido e reconhecido lá fora. Pouco conhecido e nada reconhecido no Brasil. Assim é Romero Brito, nascido no Recife, teve uma infância muito pobre e desde pequeno se encantou pela arte. Seu primeiro contato foi com os trabalhos do italiano Caravaggio, mas logo suas obras obscuras e profanas fizeram Romero entender que não era esse o caminho que gostaria de seguir. Sua grande inspiração viria das obras coloridas do espanhol Pablo Picasso. Mesmo vivendo uma infância sofrida, Romero sempre retratou a alegria e suas obras são uma verdadeira festa de cores. O artista brasileiro tem quadros expostos em Miami, onde mora atualmente, e no Museu do Louvre, em Paris. Com muito colorido, a Renascer promete encantar a Sapucaí. O samba-enredo, pelo que mostrou nos ensaios técnicos, parece mais forte na avenida do que foi na gravação do CD oficial.

Portela


“Portela cheia de encantos; acolhe a Bahia em seu canto”. Este é um dos trechos do samba-enredo da escola de Madureira para 2012 – considerado um dos melhores sambas deste ano. E a Portela realmente promete abraçar a Bahia neste carnaval. Vai levar para a avenida o povo baiano e seus costumes; suas crenças; sua cultura; suas festas. Claro, não poderia e nem deixará de homenagear Clara Nunes, que virá apresentando a escola – será interpretada por Vanessa da Matta. Pela primeira vez nos últimos anos, a escola promete forçar menos no azul e branco – suas cores. A justificativa é o fato da “Bahia ser colorida”; pois, então, poderemos esperar um desfile recheado de cores. Em sua estreia na tradicional escola, o carnavalesco Paulo Menezes parece ter conseguido quebrar alguns paradigmas e parte do “conservadorismo” que segurou um pouco a adaptação da Portela ao novo estilo de se fazer carnaval.

Imperatriz



Quem também levará muita Bahia para a Sapucaí é a Imperatriz Leopoldinense. Sem um título desde 2001, a verde e branco promete entrar novamente na disputa. Para isso, aposta em um enredo biográfico sobre o escritor Jorge Amado. Para falar do baiano, a Imperatriz decidiu ampliar o enredo e falar de Bahia. Afinal, não há Jorge sem Bahia. Assim como Bahia agradece muito a Jorge. Pelo terceiro ano na escola, o carnavalesco Max Lopes promete fazer uma travessia pela vida de Amado, desde a infância na Bahia até a sua chegada ao Rio de Janeiro. O desfile também contará as grandes obras do autor, como Dona Flor e seus dois maridos, Gabriela e Tieta. Uma das alegorias que mais deverá se destacar na avenida é a que retratará a Lavagem do Bonfim – movimento do qual Jorge participou desde pequeno. O carro terá uma réplica da igreja baiana e componentes representarão a lavagem.

Mocidade



Num hiato de 16 anos sem conquistar um título, a Mocidade Independente de Padre Miguel passa por uma fase de reformulação e está acreditando na experiência do carnavalesco Alexandre Louzada e no enredo biográfico sobre Cândido Portinari. O carnavalesco está apostando em um trabalho bastante artesanal para encantar público e jurados e irá apostar na mistura dos cristais e plumas, com pinturas em lápis de cor e cera. O pincel também foi utilizado na construção de algumas fantasias para conseguir chegar um pouco nas obras de Portinari, marcada pela “pincelada sobre pincelada”. Um espantalho também estará presente no desfile, já que o próprio pintor dizia se enxergar em um desses bonecos, desde sua infância rural. Algumas conhecidas obras do artista ganharão representação nas alegorias, entre elas o painel “Guerra e Paz”, que hoje está exposto na sede da ONU, nos EUA.

Porto do Pedra



De um enredo totalmente comercial e com um forte patrocinador, a Porto da Pedra parece ter encontrado uma temática histórica e cultural para fugir dos clichês que os “enredos publicitários” podem levar os carnavalescos a caírem. A escola de São Gonçalo irá falar sobre a importância da alimentação saudável, com foco no leite materno e no iogurte. O carnavalesco Jaime Cesário promete levar até aroma para a Sapucaí. Para ampliar o enredo e acrescentar muita informação ao tema trabalhado, foram temporadas de pesquisas na Europa, já que o iogurte ganha os seus primeiros aromas na França. A escola iniciará falando do leite, o qual classifica como “seiva materna”, e passará aos seus derivados, como o queijo e, claro, o iogurte. A importância do leite na história da humanidade também será mostrado, retratando a relação de nações como Egito, Roma, Grécia e Índia, com essa iguaria. Sobre o iogurte, além de falar sobre o seu uso espontâneo atualmente, a Porto falará sobre o uso medicinal do gênero alimentício.

Beija-Flor


Depois de provar que também sabe fazer um enredo biográfico, ao cantar Roberto Carlos em 2011, a Beija-Flor volta ao tema que mais gosta de falar: sobre comunidade, sobre povo, região – ainda mais quando envolve muito misticismo, cultura e crenças. Novamente pode se esperar muito luxo e muita técnica, e a comissão de carnaval da escola, comandada por Laíla, promete contar todos os detalhes sobre São Luis do Maranhão. A escola falará sobre a “formação” do estado e contará a chega dos negros, sendo que a segunda parte da escola contará com 1,5 mil componentes  – todos negros. O setor retratará o sofrimento dos escravos. Festas folclóricas, como o bumba meu boi, serão retratadas na avenida, bem como lendas, entre elas a carruagem de Ana Jansen – uma mulher que teria sido muito rígida com os escravos. A escola ainda homenageará grandes nomes do estado, como a cantora Alcione e o carnavalesco Joãosinho Trita, que faleceu em dezembro. Com cinco títulos na história da Beija-Flor, Joãosinho será lembrado com a volta do carro que trazia o cristo redentor de mendigo, proibido pela justiça em 1989, no enredo “Ratos e urubus larguem a minha fantasia”. Desta vez, a imagem virá aberta.

Vila Isabel



Última escola a desfila no primeiro dia, a Vila Isabel deverá passar pela Sapucaí já no amanhecer. Depois de falar de cabelos, a Vila retoma um enredo sobre povos e retratará Angola, em um trabalho conduzido pela experiente e vitoriosa carnavalesca Rosa Magalhães. Segundo ela, um dos fortes da escola será a variedade de cores. O grande objetivo do enredo da Vila é unir ainda mais Brasil e Angola, países extremamente ligados pela história. Por isso, na primeira parte do desfile, a Vila mostrará o país africano e sua cultura e costumes e, na segunda parte, será retratada a chegada dos negros ao Brasil. Uma das figuras mostradas será a da rainha Njinga, que virou símbolo da garra angolana. Um dos momentos mais esperados da escola é a passagem de um navio negreiro pela Sapucai. A alegoria trará 100 negros retratando as longas viagens oceânicas e o encerramento será uma homenagem ao Rei da Vila, o cantor Martinho, que foi responsável por promover – e continua fazendo – um intercâmbio musical entre Angola e Brasil.