>>> Em ano de corrida eleitoral, três potenciais presenças nas chapas para o executivo nas eleições municipais deixam clara a linha que irão adotar ao longo do ano na Câmara.

Uma oposição enfática. Outro cautelosamente contrário. E um falando que é preciso “trabalhar mais”. Cada uma das sentenças citadas cabe, respectivamente, aos vereadores Ricardo Piorino (PDT), Alexandre Faria (PT) e Isael Domingues (PV).

O que eles têm em comum? São especulados para ocuparem posições nas chapas para a disputa do poder executivo em 2012 nas eleições municipais.

Ex-PPS, Piorino é apontado como um dos principais candidatos para ser o vice na chapa do pré-candidato a prefeito Vito Ardito Lerário, do PSDB.

Neopetê, Faria pintou nas últimas semanas como uma alternativa dentro do Partido dos Trabalhadores para ser o vice do pré-candidato Paulo Sérgio Torino, do PMDB. Como ressaltado por este blog, o PT definiu apoio ao PMDB em uma reunião realizada em 21 de janeiro. O nome favorito da diretoria municipal do partido ainda é Carlinhos Casé, hoje subprefeito de Moreira César, mas há uma corrente que defenda ainda o nome de Camilo de Léles.

O último, um “neoverde”, ocupa hoje a condição de pré-candidato a prefeito. Isael tem buscado construir uma coligação “mínima” que dê sustentação para sua candidatura.

Apesar de nenhum desses três nomes ter mudado radicalmente o comportamento apresentado nos últimos anos, a postura demonstrada na sessão ordinária desta segunda-feira, dia 30, caminha para o que devem apresentar ao longo de 2012.

Piorino, mais do que nunca, irá bater pesado nas ações do poder executivo. Hoje questionou o atual cenário dos moradores do Loteamento Liberdade e criticou duramente a pavimentação das ruas da cidade.

Por sua vez, Faria questionou, de maneira mais leve, o cronograma de limpeza do município, que na avaliação do parlamentar está atrasado. Apesar de contrário ao poder executivo, Faria foi mais cauteloso nas colocações, até pelo fato do PT ser hoje um partido de “situação”.

Mesmo mostrando-se um “parceiro” do poder executivo, Isael não deixa de apontar os pontos que avalia como errado. Porém, fala ser preciso “trabalhar mais”, sem bater diretamente de frente com o prefeito e sua equipe.

Enfim, ano de eleição é assim, sempre com um “pitaco” de política.