>>> Falar de quem pouco conheci… Ao mesmo tempo que parece tarefa fácil, pois poderia devagar em hipóteses, estou diante de uma figura cheia de particularidades. Por isso, vou partir do que li e ouvi, para aquilo que vi; e terminar no que sinto!



Engaçado imaginar que o mundo do samba tira um dia para o luto. O samba que cura mágoas e se apresenta como médico para questões do coração, hoje se permite chorar.

Na manhã deste sábado, dia 17 de dezembro, a cultura brasileira ficou um pouco mais vazia com a morte de Joãosinho Trinta – um dos grandes ícones, se não o maior deles, do carnaval brasileiro. Parte um gênio. Fica o seu legado.

Encantou pela falta de brilho no carnaval da Beija-Flor, de 1989. Com o enredo “Ratos e Urubus, Larguem Minha Fantasia”, surpreendeu… Impedido pela justiça, em uma ação movida pela Igreja Católica, de exibir o Cristo em forma de mendigo, Joãosinho cobriu a imagem e estampou sobre ela a frase: “Mesmo proibido, olhai por nós”.

Foram carnavais pelo Salgueiro, Beija-Flor, Viradouro e, no início dos anos 2000, desembarcou na Grande Rio. No carnaval de 2004, proporcionou sua última grande “polêmica” na Sapucaí ao caracterizar imagens do “Kama Sutra” nos carros alegóricos. O enredo “Vamos Vestir a Camisinha, Meu Amor…”, segundo a Grande Rio, tinha o objetivo de conscientizar sobre a importância do preservativo. A forma como Trinta apresentou o carnaval fez a escola demiti-lo um pouco antes da apuração do desfile.

O pequeno-grande-homem, que gostava de exibir glamour na avenida, pois, como o mesmo dizia, “pobre não gosta de pobreza, gosta de luxo”, agora se vai deste terreno que classificamos como vida. Parte para uma nova esfera, outro plano – seja lá como pensamos em determinar o que vem depois de encerrarmos o ciclo por aqui…

Curiosamente, em 2012, o enredo da Beija-Flor fala de São Luis do Maranhão e, além de ressaltar as belezas e o desenvolvimento do Estado, irá retratar os seus nomes artísticos, como Alcione e, claro, Joãosinho. Em um dos trechos do samba-enredo está: “Na terra da encantaria… A arte do gênio João”

Vai com Deus, mestre dos mestres da arte de fazer carnaval!