Na definição dos membros que compõem a Comissão Processante contra o prefeito João Ribeiro e a vice-prefeita Myriam Alckmin, para que o cenário ficasse perfeito para o grupo de oposição à máquina, falou um detalhe.

A tal da cereja sem cima do bolo…

Seguindo o regimento à risca, o presidente do Legislativo, Ricardo Piorino, abriu a oportunidade para que todos os partidos tivessem representantes na comissão. Ficou definido que a CP seria composta por três integrantes.

Foram ao ringue disputar vaga quatro parlamentares: Jânio Ardito Lerário, Martim César, Dona Geni e Toninho da Farmácia. Martim esboçou reação de que poderia desistir. Foi rapidamente interrompido por Piorino, que optou pelo sorteio. Chamou ao palco do plenário, pessoas da sociedade e foi feito o sorteio.

O nome que fosse tirado estaria fora da Comissão. E saiu Jânio… Era o principal nome que se esperava dentro dos trabalhos da CP.

Porém, na última sessão de Câmara (dia 11), Ricardo Piorino dirigiu-se a Toninho e disse: “Gostaria de deixar clara a minha preocupação com a situação de vossa excelência. O senhor já alegou algumas vezes não ter muito tempo e também confirmou ter sido acometido por uma grave doença. E sabemos que uma Comissão Processante demanda tempo.”

Segundo um articulador do meio político, de fato existe uma vontade de que Toninho se afaste dos trabalhos da CP. “O objetivo é que o Jânio esteja dentro do processo”, destaca.

Aguardemos os próximos capítulos.