Diferentemente do que aconteceu nos últimos sete anos, a atual administração municipal deverá começar o ano de 2012 sem muitos motivos para comemorar. Pelo menos no que diz respeito à econômica do município. O crescimento projetado no orçamento da cidade para 2012 é de 4,67, comparado a 2011 – pior avanço dos últimos sete anos.

De 2005 – primeiro ano da gestão de João Ribeiro – a 2011, o orçamento da cidade cresceu um acumulado de 156,4%. Saltou do enxuto cofre de R$ 131,3 milhões para R$ 336,3 milhões. Um avanço significativo, que, em tese, caracteriza mais dinheiro para saúde, educação e esporte, entre outras áreas.

A maior alta, inclusive, foi registrada entre os orçamentos de 2010 e 2011, com um reajuste de 26,3%. O menor crescimento nos últimos anos foi registrado entre 2008 e 2009 (8,5%) e 2009 e 2010 (9,4%).  Sobre os crescimentos em elevadas taxas, de 2005 a 2008, o prefeito João Ribeiro afirmou no final de 2010:  “Foi um período extremamente positivo e apoiado no bom momento econômico mundial da época. Aproveitamos bem a maré alta.”

Sobre o fraco crescimento de 2008 para 2009, explicou: “Em 2009, o Brasil teve um fator que pode ser interpretado como ruim – que foi a valorização do Real perante o Dólar. Isso trouxe menos moeda americana ao país e tivemos uma perda em dólar. Isso vem sendo sentido pelo mercado e pelo Governo desde então.”

Porém, como apresentado em audiência pública nesta quarta-feira, dia 23 de novembro de 2012, Pinda deve registrar seu pior crescimento nos últimos sete anos. O orçamento do próximo ano prevê um reajuste de apenas 4,67% comparado a 2011.

Os números que estarão nos cofres do município agora seguem para análise na Câmara – local da audiência pública. Os parlamentares têm até o dia 30 de novembro (uma quarta-feira) para apresentarem emendas ao orçamento; e a Comissão de Finanças e Orçamentos da Casa tem que emitir seu parecer até 7 de dezembro.

Agora, cabe aos vereadores “abençoarem” o orçamento ou levantarem alguns questionamentos. A pasta que mais terá aumento, por exemplo, será Governo e Integração, com avanço de 18,91%, saltando de R$ 6.596,0 milhões, em 2011, para o valor de R$ 7.843,0 milhões no próximo ano.

Os números superam os crescimentos de setores mais importante, como Saúde e Educação e Cultura, que terão um acréscimo, respectivamente, de 14,70% e 10,86%. Outros setores também fundamentais para o desenvolvimento da cidade, como Planejamento, apresentam redução. Com queda de -12,96%, a pasta de Planejamento terá 6.325,0 milhões para aplicar – número inferior ao total disponível para Governo e Integração.

A Secretaria de Habitação também registra uma queda. Escorrega em 8,82%, reduzindo de R$ 9.709,0 milhões para R$ 8.853,0 milhões. A Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer, “menina dos olhos” nos outros anos, terá redução de 17,07,%, caindo de R$ 20.164,0 milhões para R$ 16.723,0 milhões.

Veja o quadro geral e os valores que deverão ser aplicados por pasta:














Confira os valores dos orçamentos de Pinda nos anos da  gestão João Ribeiro:

2005 – R$ 131,3 milhões
2006 – R$ 151,7 milhões
2007 – R$ 176,2 milhões
2008 – R$ 224,4 milhões
2009 – R$ 243,6 milhões
2010 – R$ 266,4 milhões
2011 – R$ 336, 6 milhões
2012 – R$ 352,0 milhões (projeção)