Pela justiça eleitoral e, até provem o contrário, as 510 mil assinaturas conseguidas pelo grupo de Gilberto Kassab, está fundado o mais novo partido do Brasil. Mais um. Trata-se do Partido Social Democrático (PSD).
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) bateu o martelo na noite desta terça-feira, dia 27 de setembro, após um pedido de vista do ministro Marcelo Ribeiro, na última semana. Havia um impasse entre os sete ministros quanto a necessidade da legitimação das assinaturas nos Tribunais Regionais Eleitorais. O PSD apresentou as 510 mil assinaturas “apuradas” apenas em cartórios.
Classificado ontem como “falsa incompatibilidade”, o assunto foi levado às gavetas do tribunal. O parecer final da relatora do processo, Nancy Andrighi, foi favorável ao novo partido do prefeito de São Paulo. Seguiram Nancy, os ministros: Marcelo Ribeiro, Teori Zavascki, Arnaldo Versiani, Cármen Lúcia e o presidente do TSE, Ricardo Lewandowski. O único voto contrário foi de Aurélio Mello. Placar final: 6 a 1.
Criado no papel e na vontade de um grupo restrito, o PSD surge apenas como “mais um”. Corre agora para fazer nascer de fato, em identidade!
Cenário
O PSD inicia sua vida política com uma bancada de 40 deputados federais, sendo que desses, 17 migraram do Democratas, que despencou de 44 para 27 representantes. O novo partido é a sexta maior bancada do Congresso Nacional, derrubando o DEM de sexto para sétimo.