No calor do processo eleitoral, com a eleição cada vez mais próxima, o que mais se escuta é: “pesquisa não vale nada!”

Discurso adotado, obviamente, por quem vai ficando para trás. Tanto na esfera federal como para os cargos de governador.

É importante o eleitor ter em mente que uma pesquisa é amparada em uma metodologia. Complexa – fato! – Mas muito interessante…

E não tem – ou não deveria ter – lado!

Assim como é uma “estimativa real” os 50% que o Datafolha indica para Dilma Rousseff, do PT, também é fato os 46% atribuído pelo mesmo instituto ao candidato Geraldo Alckmin, do PSDB, que tenta voltar ao governo de São Paulo.

Atualmente, no Brasil, são quatro grandes institutos que divulgam pesquisas regularmente: Datafolha, Ibope, CNT/Sensus e Vox Populi.

Os três primeiros citados acima divulgaram pesquisas nesta semana e a convergência dos números entre os distintos institutos e metodologias de pesquisa é a prova que o eleitorado está realmente mais focado na eleição.

Enquanto que, nas pesquisas no início do ano, os dados apresentados eram totalmente distintos, a tendência agora é haver um nivelamento nos novos números divulgados. Afinal, o próprio eleitorado está mais decidido.

Nesta semana, três pesquisas balançaram as estruturas da oposição. Ibope, Datafolha e CNT/Sensus apontaram vitória da ex-ministra Dilma ainda no primeiro turno.

A última cartada de Serra foi tentar ligar seu nome ao do presidente Lula – um tiro no pé. O tucano apenas perdeu votos, principalmente com seu público mais fiel, a classe alta.

O último mês antes do pleito promete ser animado.