Não há como negar que uma das melhorias rodovias do Estado de São Paulo é a Presidente Dutra.

Sempre muito bem sinalizada, a Dutra apresenta asfalto de primeira qualidade e acostamento em toda a sua extensão.

Existem também algumas falhas, como longos prazos para o término de determinadas obras, como foi a reconstrução do acostamento na baixada do Una, e também a necessidade de duplicação em alguns pontos, principalmente nas proximidades de São José dos Campos.

Apesar dos pontos positivos que cercam a rodovia, o aumento da tarifa de pedágio vai atingindo valores astronômicos.

O CCR alega que o reajuste tem como base uma cesta de índices da Fundação Getulio Vargas.

Porém, o fato de existirem praças de pedágios em curtos trechos de espaço já é um absurdo. Imagine com o aumento das tarifas.

Desde o dia 1º de agosto, a praça de Moreira César, por exemplo, subiu para o valor de R$ 9,20 para veículos de passeio.

Imagine para quem mora em Guaratinguetá e trabalha em Taubaté. É justo pagar esse valor – ou melhor; o dobro, pensando na ida e na volta – diariamente?

O assunto foi abordado recentemente pelo candidato ao governo de SP, o tucano Geraldo Alckmin. “Existem realmente casos que a pessoa percorre um trecho menor e acaba pagando uma tarifa maior; isso nós vamos resolver”, afirmou.

Vale lembrar que a Dutra foi privatizada durante o governo de Mário Covas, também do PSDB, em 1996.

E, o mínimo que se esperada dos homens do poder, é uma conversa “séria” com as administradoras das vias públicas.