Alteração de horário

Durante a sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Pindamonhangaba nesta segunda-feira, dia 10, os parlamentares discutiram por alguns minutos a mudança de horário das sessões de segunda. A proposta de Toninho da Farmácia propõe os encontros às 15h. Alguns vereadores mostraram-se contrários, principalmente aqueles que exercem outras funções durante o dia.

Alteração de horário II

A mudança de horário seria para tentar aumentar o número de munícipes nas sessões. O presidente da Casa, Martim César, fez uso da palavra e deu sinais de que a situação (de plenário vazio) era normal e uma “tradição”. “Nós que estamos a mais tempos aqui, eu, Jânio, Cal, sabemos que sempre foi assim…”

Alteração de horário III

Dona Geni foi quem levantou a justificativa mais plausível para a ausência de público: questão cultural. Não apenas em Pinda, mas é uma situação geral no Brasil, a falta de fiscalização do povo. No entanto, como apontou Abdala Salomão e Dr. Isael, campanhas de incentivo, melhoria nas condições de transporte, políticas participativas e melhor divulgação do Legislativo na imprensa local, sem dúvida ajudaria.

Alteração de horário IV

Na sessão de ontem, apenas dez pessoas, fora assessores, acompanhavam a reunião dos vereadores. É nítida a falta de entusiasmo dos parlamentares, principalmente os mais jovens. Não que deixem de trabalhar, mas fica a sensação de que as ações não estão ganhando platéias – ferramenta fundamental para figuras públicas.

Alteração de horário V

Outro ponto levantado é de que tradicionalmente o plenário lota quando assuntos polêmicos são discutidos, como aconteceu esse ano com o reajuste do salário dos servidores, regularização do transporte complementar, apoio ao esporte, entre outros. Coloque em pauta a questão da cadelinha Princesa, quem sabe… (risos)

Falando nisso…

As pessoas estão inconformadas do assunto sobre a cadelinha Princesa ter tomado bom tempo na sessão da última semana – veja mais: http://paposemcensura.blogspot.com/2009/08/princesinha-x-mituro-x-toninho.html

Não existem questões mais importantes para serem discutidas? Afinal, como ficou o assunto sobre a pista de neve, que mobilizou mais de dois mil pindamonhangabenses até o PAT em busca do prometido “empregão”. Pasmem!

Outra questão…

Na última semana, o servidor público Ivan Epaminondas Xisto fez duras críticas ao poder executivo, ao usar a tribuna livre da Câmara, afirmando que a atual administração paga horas extras para funcionários do Departamento de Obras, sendo que alguns nem trabalham e ficam assistindo futebol durante a tarde e outros os chamados “filmes adultos”.

Mesmo não tendo mostrado provas, todas as declarações foram anotadas pelo secretário de Integração e Governo, Engenheiro Arthur Ferreira dos Santos.

Xisto também questionou – como muito servidores – como a prefeitura tem 120 mil reais para oferecer ao Sindicato Rural/Expovap, mas diz que não pode aumentar os salários dos funcionários públicos em mais de 3,3%.

Cri, cri, cri…

No plenário, silêncio até mesmo da oposição!

Mandou bem…

Das antigas, Jânio Ardito conduziu muito bem a leitura dos requerimentos na noite de ontem. Papel do secretário Jair Roma, que esteve ausente nos primeiros minutos da sessão, a função foi bem exercida por Jânio, que leu de forma rápida e bem mais “teatral”. Não ficou com cara de monólogo enjoativo como normalmente acontece…

Mandou mal…

A frase do presidente Martim César, alegando que a ausência de público na Câmara é algo comum, como se não houvesse forma de mudar esse cenário, é de entristecer. Acomodação deveria passar longe…

Foto: Robson Monteiro / Assessoria de Imprensa